Metrosites- Hospedagem e Desenvolvimento
www.metrosites.com.br
Desenvolvimento e hospedagem de sites..
Lina Modas- Moda Fashion
www.linamodas.com.br
Calçados, semi-jóias, bijus e acessórios feminino.
Elegância sem limites!

Preço do Uber deve subir quando concorrência quebrar, diz especialista

Written by  Segunda, 02 Setembro 2013 06:57

Para o pesquisador bielorusso Evgeny Morozov, especialista em internet e nos monopólios que surgiram com a vida em rede (como Facebook e Google), os preços baixos da Uber têm prazo para acabar: assim que a empresa conseguir quebrar toda a concorrência em serviços de transporte individual.

Além disso, para aumentar suas margens de lucro, Morozov diz que a Uber deve investir em carros automatizados –eliminando assim o pagamento aos motoristas de sua equação de negócios.

Autor de "The Net Delusion, the Dark Side of the Internet Freedom" (A ilusão da rede, o lado negro da liberdade na internet), o pesquisador, que foi professor visitante na Universidade Stanford (EUA), também examinou a proposta de regulação dos serviços da Uber feita pela Prefeitura de São Paulo: "Está no caminho certo, favorecendo agenda mais igualitária".

Em entrevista à Folha, por e-mail, Morozov ironizou o modo como a empresa tenta escapar da regulação: "A Uber vai criar uma sede em Marte e argumentar que são marcianos, por isso não se sujeitam à regulação da Terra?".

-

  Alexander Krstevski/Divulgação  
O bielorrusso Evgeny Morozov, que deu aulas em Stanford (EUA)

RAIO-X

NOME: Evgeny Morozov

QUEM É: Pesquisa temas ligados à rede

ONDE NASCEU: Belarus

CARREIRA:Foi professor-visitante na Universidade Stanford, passou pela Universidade Georgetown, ambas nos Estados Unidos, e pela Open Society Foundation

-

Leia abaixo os principais trechos da entrevista.

*

Folha - O sr. tem afirmado que plataformas como a da Uber já deveriam ter sido implementadas por cidades há muito tempo. Por que elas falharam?
Evgeny Morozov - Há uma combinação de razões: falta de expertise, pouco entendimento do papel que dados terão na provisão de serviços no futuro, grande dependência dos provedores já existentes (como as empresas de táxi), que sentiam, antes da Uber, que os negócios estavam ótimos e que não havia por que fazer algo inovador.

Mas a maior razão é a inabilidade de pensar em dados como plataforma na qual os serviços do futuro serão oferecidos. Hoje, se alguém cede dados, arrisca-se a ficar dependente de uma série de empresas de tecnologia.

Qual é o plano da Uber para operações internacionais?
O único modo para a Uber ser muito lucrativa e retornar capital para seus investidores –não se pode esquecer que eles captaram rios de dinheiro– é operando em escala global, com pouca competição. A estratégia tem sido levantar tanto capital quanto possível para entrar no máximo de cidades possíveis e estabelecer liderança em cada uma delas, convencendo investidores de que esse crescimento vai continuar.

A próxima fase será a total automação dos carros, para se livrar dos motoristas –outra forma de satisfazer investidores. Com poucas exceções, o plano da Uber deu certo: conseguiu atrair muitos usuários, que valorizam bom serviço e preços baixos.

Não acredito, no entanto, que os preços se manterão baixos: são temporários para destruir a competição e mobilizar a base de apoio à Uber entre os consumidores.

A Uber opera em sete cidades brasileiras e encara grandes protestos de taxistas e sindicatos. Por que o aplicativo é tão encantador para os consumidores e quais são os riscos do crescimento desse serviço?
Primeiro porque, ao contrário da indústria de táxis, que não inovava, pois como monopólio regulado não precisava, a Uber oferece inovações muito legais. Segundo, por causa de sua escala e do subsídio temporário de investidores como Goldman Sachs e Google. Com isso, a Uber pode oferecer serviços (na maioria das vezes melhores) a preços bem menores.

De algum modo, a Uber se encaixa perfeitamente numa visão neoliberal utópica em que somos apenas consumidores satisfeitos em maximizar nosso próprio bem-estar às custas dos outros.

Há, é claro, o custo mais óbvio: motoristas do Uber são explorados e monitorados em uma série de formas bem insidiosas sem nem sequer serem empregados da empresa. São atualmente a principal fonte de dados para a companhia, que poderá usar esses dados para tornar seus empregos obsoletos.

Em São Paulo, a prefeitura propõe um novo tipo de regulação para serviços como o da Uber. O que o sr. acha da proposta?
A solução parece boa em tese, pois reconhece que sensores, dados e os outros ingredientes tecnológicos que tornam a Uber tão efetiva também podem ser empregados contra sua agenda de corte de custos e exploração.

Note que digo "em tese". O fato de que a maior parte dos operadores de veículos agora pode ser "guiado" e controlado por sensores também abre portas para o tipo de política que não será de interesse público, privilegiando os ricos ou alocando mais carros para viagens às regiões mais nobres e assim por diante.

A proposta de São Paulo parece estar no lugar certo, favorecendo uma agenda mais igualitária.

Taxistas brasileiros têm feito intensos protestos e até agredido carros e passageiros da Uber. Não há risco de levar mais consumidores para a Uber por causa da violência?
Os protestos podem ser bem-sucedidos em pelo menos destacar as formas pelas quais a Uber está evitando o tipo de regulação imposta ao resto da indústria de táxi.

A Uber prega o livre mercado e a competição. Mas eles não querem competir em tal mercado, argumentando que não são uma empresa de táxi, mas uma firma de tecnologia e que, portanto, não devem se sujeitar às taxas e regulações impostas ao mercado de táxi.

Não é preciso ter solidariedade com os taxistas para ver que os argumentos da Uber não se sustentam. O que vem depois, eles vão criar uma sede em Marte e argumentar que são uma empresa marciana, portanto não se sujeitam à regulação da Terra?

De modo geral, há outras formas além de empresas de táxi para tomar proveito dos dados produzidos por nossos smartphones, mas isso não muda o fato de que a Uber está inventando desculpas para não fazer o que os outros são obrigados a cumprir.

 

Fonte: Site Oficial do UOL

Read 286 times
Redação

Para publicação de matérias relacionadas a categoria, favor entrar em contato com a  Redação do site.

Virou Notícia? Está Aqui!

Ponto do Taxista

Quer ser taxista?

Como ingressar na praça em Belo Horizonte?

Como ingressar na praça em Belo Horizonte?

Para se inscrever e participar do curso, os interessados poderão procurar as unidades SEST/SENAT de ...

Hospedagem de Sites
www.metrosites.com.br
Desenvolvimento de
sites dinâmicos, blogs
e loja virtual.

Visitas no site

153607
HojeHoje5
OntemOntem20
Esta semanaEsta semana89
Este mësEste mës838
Total geral de visitasTotal geral de visitas153607

Reuniões

Patrocinadores

Hospedagem de Sites
www.metrosites.com.br
Desenvolvimento de
sites dinâmicos, blogs
e loja virtual.

Apps download

Nossos Parceiros

JoomShaper